Guia Comercial Online de Carpina e Região

Preso ex-padrasto suspeito de assassinar Alanna Ludmilla, de 10 anos

O ex-padrasto e suspeito de assassinar Alanna Ludmilla, de 10 anos, foi preso no fim da manhã deste sábado (4), ao ser reconhecido enquanto estava em uma van que seguia em direção ao interior do estado do Maranhão.

O motorista do veículo onde Robert de Oliveira Cerejo estava o reconheceu e fez sinais para policiais militares que estavam em uma barreira policial localizada na BR-135, na Zona Rural de São Luís.

Após a confirmação da identidade do suspeito, ele foi preso e encaminhado para a sede da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), onde as investigações do caso estão sendo conduzidas. A Justiça do Maranhão já decretou a prisão temporária de 30 dias do suspeito. Na última sexta-feira (3), o delegado da Delegacia de Homícidios, Arthur Benazzi, disse que há indícios que mais de uma pessoa esteja envolvida no crime e que as investigações indicam que o assassino era um conhecido da família.

No momento em que foi abordado por uma equipe da Polícia Militar, o suspeito estava sem documentos e alegou para os policiais que era um pedinte e estava indo para a casa de parentes no município de Chapadinha, a 245 km de São Luís. Robert chegou a prestar depoimento na delegacia do Maiobão, mas em seguida não foi localizado.

Alanna Ludmilla foi encontrada morta por vizinhos em uma cova rasa no quintal da sua casa, na manhã da última sexta-feira (3). A menina estava com as mãos amarradas para trás e com um saco plástico na cabeça. De acordo com da polícia, a criança de 10 anos, teria sido abusada sexualmente e em seguida foi asfixiada. O laudo oficial da perícia ainda não tem data definida, mas deve ser divulgado nos próximos dias.

Na quinta-feria (2), após prestar novo depoimento na delegacia no Maiobão, a mãe de Alanna, Jaciane Borges, disse que o ex-padastro não era violento e que sentiu muito a perda da filha. "No momento que eu caí lá no entulho eu não queria saber se ela estava fedendo ou se ela tava suja. Naquele instante o meu desejo esra abraçar minha filha e dizer que eu a amo muito, do fundo do meu coração", declarou Jaciane.
O corpo de Alanna foi velado na escola Unidade Integrada Marly Sarney, no bairro Maiobão durante a madrugada entre os dias 03 e 04. O enterro aconteceu na manhã deste sábado(4) no cemitério Pax União, em Paço do Lumiar, na região metropolitana de São Luís.

De: G1